Noronha: o paraíso tem seu valor!

Noronha, o paraíso tem seu valor (literalmente). Nesse caso o valor é bem alto.  A cada dia, cada instante que passei naquele lugar eu ficava mais apaixonada (apesar dos preços altos) . A energia, a vibe de lá é surreal. No primeiro post sobre Noronha, eu contei sobre o nosso roteiro pela ilha nos 7 dias que ficamos por lá. Agora eu vou contar tudo que você precisa saber sobre o destino e as minhas impressões pessoais também. Noronha é um daqueles lugares que você se apaixonada pela janela do avião, antes mesmo de pisar no solo. As praias são simplesmente sensacionais, daquelas de tirar o fôlego e a vontade que dá é de ficar ali, forever! Acompanhe e anote as dicas.

Taxas:

A primeira coisa que você precisa ter em mente é que você vai gastar uma boa grana no local. Sim, tudo que falam de Noronha ser caro, é verdade mesmo. O primeiro choque que você tem é com as taxas que você paga para entrar na ilha. A primeira é a TPA (Taxa de Preservação Ambiental) que você paga pela internet ou Aeroporto e que te dá o “direito” de entrar na ilha. Nós pagamos pela internet para agilizar nossa vida e o custo é de R$68,74 (preço de mai/2017) por pessoa e por dia de permanência. Crianças e Idosos não estão isentos, ou seja todo mundo tem que pagar essa pequena fortuna diária. E não acaba por aí… Ainda tem a taxa do Parque Marinho, que você compra também pela internet ou no centro de Noronha e essa taxa te dá o direito de visitar algumas praias específicas : Sancho e Baía do Sueste, por exemplo. Ao comprar o ingresso, você ganha um cartão pessoal e intransferível (tem sua foto no sistema) e assim consegue entrar nas praias. Esse ingresso custa R$99,00 para brasileiros e R$198,00 para estrangeiros ($$$), é válido por 10 dias e pessoas menores de 12 anos e maiores de 60 estão isentos.

Baía do Sueste, uma das praias que exigem o pagamento da taxa

Caminhadas:

Outra coisa que você precisa estar ciente é que você vai precisar andar bastante para se deslocar. Por conta da ilha ser pequena e caso você esteja em uma pousada bem localizada, as coisas ficam muito próximas, uma pequena caminhada e você chega à um restaurante ou um praia (alguns lugares você não consegue ir à pé). Mas de pequenas caminhadas em pequenas caminhadas, você percorre uma maratona, iron man ou coisas parecidas [exageraaada]. E por isso eu falo: Noronha cansa! E cansa muito. Eu que sou um ser humano que detesta caminhar, sofri um pouco, mas o esforço vale a pena porque as paisagens compensam cada metro percorrido. Mas Nathana, eu odeio caminhar, meu joelho é bichado, sou preguiçoso… o que eu faço? Pague pelo conforto! Alugue um Bugre (média R$ 250 reais a diária), moto, táxi ou vá de buzão (próxima vez eu só viajo se for assim haha). O conforto tem seu preço, meus caros, e em Noronha custa bem caro.

Restaurantes:

Opções não faltam na hora de comer bem em Noronha. Você tem desde frutos do mar até hamburguer artesanal, então fiquem tranquilos, pois tem para todos os gostos. Quem não quiser gastar muito na hora de comer, também existem opções baratas e bem gostosas. Eu sou daquelas que quando viajo quero comer coisas diferentes, que não fazem parte do meu dia-a-dia. Como sou uma amante de frutos do mar, sempre vou priorizar essa iguaria rs. O melhor prato que comemos em Noronha, foi o gratinado de frutos do mar no restaurante Varandas. Eu colocaria esse como TOP 1, daqueles que você não pode ir embora sem experimentar.  O restaurante tem ainda o Prato da Boa lembrança, caso você escolha esse, vai levar essa recordação para casa. Outro restaurante que vale muito a pena conhecer, é o que fica dentro da Pousada do Vale. O lugar tem uma vista espetacular, bem dentro da mata mesmo e nesse dia nós comemos a indicação da Chef, que foi um risoto de espinafre com tomate cereja, acompanhado de atum selado com molho de ameixa. Estanho né? Mas eu garanto que estava sensacional! Adoramos !!

Risoto servido na Pousada do Vale

A gente sempre optava por um almoço pra matar a fome (gostoso e barato) e a noite um jantar um pouco mais sofisticado, porque né mores, não dá pra gastar tudo o que não temos comendo rs. Então, se você quiser almoçar bem, comida gostosa e barata, precisa ir no Restaurante da Mãezinha (Restaurante, Farmácia, Lojinha…tudo junto). Almoçávamos bem pelo custo médio de R$ 25 reais por pessoa. Baratex e delícia, podem confiar.

Hospedagem:

Ficamos hospedados na Pousada Capim-Açu, um lugar bem aconchegante e com um ótimo custo-benefício. O café-da-manhã era variado, os quartos tinham ar condicionado e chuveiro quente. Em Noronha tudo é muito complicado de chegar: frutas, água e etc. Então é normal faltar algumas coisas nas pousadas. Água não falta mais. Agora eles recebem uma quantidade de água que dá para 10 dias, se acabar antes….acabou. Por isso os turistas precisam tomar banhos rápidos e terem consciência das limitações do lugar. Mas voltando a falar da pousada, ela é muito bem localizada, muito mesmo. Perto dos restaurantes e da praia do cachorro. Ah e era praticamente do lado da famosa Pousada Maria Bonita (a do Bruno Gagliasso), ou seja, eu estava igualzinho, no mesmo lugar que os artistas globais ficam haha.. só que não!

Encontre sua pousada em Fernando de Noronha

 

Nosso quarto na pousada Capim-Açu

Praias:

Como não falar das praias não é mesmo? Sabe o clichê cada canto, um encanto? Noronha consegue ser mais do que isso. Cada canto é uma mini parada respiratória real haha. As paisagens são tão deslumbrantes que a única coisa que conseguia fazer quando eu chegava, era agradecer a Deus a oportunidade de estar ali, num lugar incrível daquele. A cor da água é de um azul tão intenso e a transparência é tão grande que parece que você está numa piscina, os peixes nadam próximos a você, sem medo nenhum. Parece que de certa forma eles sabem que estão protegidos ali. As praias que eu mais gostei foram a do Sancho, Praia da Conceição, Cacimba do Padre e Baía do Sueste. As Praia da Conceição e da Cacimba são as que as ondas eram mais fortes, sendo inclusive, pontos de surf. Já as outras duas, as águas são tranquilas e são ótimas para mergulho. Eu que sou uma mergulhadora nata [quase uma sereia], amei as duas pela possibilidade de nadar com peixes, tubarões e tartarugas. Darei mais informações sobre isso num outro post, onde vou detalhar tudo sobre os passeios.

Mergulho na Praia do Sancho

Em Noronha é tudo tão maravilhoso que não tem como não querer voltar ou falar que não gostou [só se a pessoa for muito de mal com a vida, e sempre tem]. Eu sou daquelas que não gosto de repetir destino porque acho que há muita coisa pra ver nesse mundo, mas fiz uma promessa a mim mesma que voltarei e é um lugar que eu quero levar meus futuros filhos porque só conhecendo Noronha para entender a energia que tem naquele lugar! Muito amor <3

 

 

 

Nathana Reis

tem 27anos, é mineira radicada no Espírito Santo que vive com a mala na mão. Quer sair por aí e ver o mundo como ele é. Adora idiomas, cultura e gastronomia. É tipo uma mochileira com mala de rodinha. Seja pelo ar, terra ou mar, ela quer é viajar!

You may also like...

6 Responses

  1. Patricia disse:

    Um lugar que está no topo da minha lista! Lindo demais, quero muito conhecer Noronha.

  2. Gê Azevedo disse:

    Nossa, Nathana, o que tem de lindo tem de caro, né? Ah, mas mesmo assim é o lugar número 1 da minha lista de desejos.

    • Nathana Reis disse:

      Gê, é caro sim! Mas tem como economizar… depende do estilo de viagem que você está disposto a fazer.Vou falar dessas dicas num próximo post! E olha, vale cada centavo deixado por lá, daqueles destinos que tem que ir pelo menos uma vez na vida!! haha

  3. Fico só imaginando o paraíso que deve ser Noronha. Um dia eu irei.

  4. Dayana disse:

    Toda vez que vejo um assunto de Noronha, desanimo pelos preços… é lindão, de verdade!!! Mas só de ter taxa pra cá e pra lá… :( Mas, realmente, divino!!! hehehe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *