Caraíva: O que ninguém te conta!

Ir para Caraíva na baixa temporada é uma grande aventura. Requer coragem, destreza e muita, mas muita disposição. Quer saber porquê?

caraiva-4

Tudo que ninguém te conta sobre Caraíva

O que ninguém te conta sobre Caraíva é que você vai ter que andar, e quando eu digo andar é andar mesmo, na areia fofa da praia o que exige muito preparo físico do indivíduo [tá, estou exagerando um pouquinho, rs]. Nos primeiros dias você vai sentir dor nas pernas, mas logo, logo você se acostuma e pega o ritmo da coisa.  ACREDITE: sou uma pessoa que não gosto de andar, principalmente no sol, então se eu consegui, você CONSEGUE!

As ruas são bem parecidas e isso pode te confundir nos primeiros dias, fazendo com que você se perca muito fácil caso não tenha um ótimo senso de direção. A noite as coisas ficam um pouco mais difíceis por conta da falta de iluminação nas ruas. Por isso não se esqueça: Leve sua lanterna.

No período de baixa temporada a cidade fica bem vazia. Como eu disse no post anterior, só tínhamos nós na nossa pousada, ou seja, a noite além das ruas estarem escuras, elas também estão vazias e quem é um pouco mais medroso poderá ficar incomodado. Não vou mentir: Fiquei com medinho rs! Mas vale a aventura e você não tem outra opção, afinal de contas, precisa sair pra comer, certo?

Esqueça os sapatos e se joga no bicho-de-pé! Pois bem, amigos, com certeza  você levará ótimas lembranças dessa viagem e outras nem tão boas assim. Todos os meus amigos voltaram com uns bichinhos-de-pé fofos e simpáticos, mas como nem mosquito me morde, fui a única imune a esses serzinhos. Como você irá andar o tempo todo tendo contato com a areia, mesmo usando chinelo, esses inconvenientes podem acontecer. Então se acostume.

Veja mais: Tudo sobre Caraíva
Hotel: Encontre hospedagem em Caraíva com os melhores preços

Não tinha forró todos os dias! Pois é, essa foi a parte triste. Assim como Itaúnas-ES, Caraíva é conhecida pelo forró pé-de-serra. No período que fomos, uma semana antes do feriadão de 7 de setembro, teve forró, forró mesmo com banda e tal, em apenas um dia em um bar/restaurante que agora esqueci o nome. Pelo que disseram sempre rola forró todas as sextas nesse local. Pelo menos deu pra matar a vontade. No sábado teve o forró do Pelé, uma casa tradicional, mas era som mecânico e não é a mesma coisa! O forró é democrático! Esqueçam os esteriótipos que a sociedade impõe, no forró todo mundo dança com todo mundo, não existe essa do cara bonito/feio, alto/baixo… quem está no forró vai lá para dançar e ser feliz. Meus amigos que não são frequentadores de forró acharam isso o máximo e ficaram muito surpresos com essa mistura toda!

Na hora que a fome bater, procure sempre a opção que cabe no seu bolso. Confesso que os preços são um pouco salgados, o que é normal em qualquer cidade que vive do turismo. Durante o dia, uma ótima opção é o PF servido na restaurante João de Barro, que fica na beira do rio (quase todos os restaurantes ficam nessa região), comida boa e barata (R$25 o PF), vale super a pena.  O Boteco do Pará é uma ótima pedida pro fim de tarde, de onde se tem uma vista incrível do pôr-do-sol e dá pra comer o famoso pastel de arraia.  Para o jantar, recomendo a pizzaria Da Vila. Preço muito bom e a pizza é uma delícia.

caraiva-5

E por último, mas não menos importante: Aproveite cada segundo nesse pedacinho do paraíso. Caraíva tem uma energia incrível, uma sensação de paz e tranquilidade que devem ser desfrutados em sua maior intensidade. Esqueça o relógio, os compromissos, a caixa de e-mail lotada. A grande vantagem de ir na baixa temporada é nada estar lotado, a praia sem barulho/tumulto e os preços nas pousadas estarem super mais em conta do que na alta estação.

 

caraiva-2

A vida em Caraíva passa em outro ritmo, não tenha pressa, não se estresse e com certeza você vai querer voltar. E como o poema em uma parede na cidade diz:

“Forte como o que sinto por este lugar,

Amor à primeira vista, difícil explicar,

Mais fácil sentir e amar:

O rio, o céu, o verde e o mar,

CARAÍVA, vive a me encantar! ” [Claunalone]



Booking.com

Nathana Reis

tem 27anos, é mineira radicada no Espírito Santo que vive com a mala na mão. Quer sair por aí e ver o mundo como ele é. Adora idiomas, cultura e gastronomia. É tipo uma mochileira com mala de rodinha. Seja pelo ar, terra ou mar, ela quer é viajar!

Você pode gostar...

7 Resultados

  1. Olha eu no post!
    Caraíva é demais, bateu até a saudade.

  2. Que legal hein Nathana. Gostei da sinceridade, rs. Ainda não conheci Caraíva, mas da próxima vou preparado para o trampo. Abraços.

  3. Por mais que tenha os seus ‘poréns’, viajar na baixa temporada pra mim é muito mais divertido :) parece que conseguimos aproveitar mais e conhecer o lugar ‘de verdade’. Adorei a sinceridade!

  4. Com exceção dos preços salgados, todas as outras coisas que ninguém conta é que me fazem amar Caraíva. :) Ana

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *